sexta-feira, 30 de abril de 2010

A grade festa.

Pessoa suspeita pra falar... Eu sou incondicionalmente apaixonada pela comida italiana. Não só pelos sabores do azeite, do manjericão, dos molhos, das massas... Mas também por toda a cultura e as simbologias que essa comida representa. Não é à toa que não estou usando o termo “culinária” e sim comida, porque italiano aplica paixão e delicadeza combinadas para modelar as massas, temperar os molhos, mantendo um contato orgânico constante com os alimentos que prepara_ amo isso! Uma sofisticação caseira de quem está preparando comida para sua amada família. Daí se fazem refeições generosas, saborosas e calorosas. Eu me sinto acolhida e feliz debruçada sobre um prato de comida italiana numa cantina típica.

No filme “A grande noite”, dois irmãos italianos emigram para os EUA buscando uma oportunidade de prosperar fazendo o que eles sabem fazer de melhor: comida! Mas, o restaurante deles em Nova Iorque não vai muito bem. Com um cardápio e um ambiente seguindo as tradições italianas, o lugar não atraia a clientela americana interessada em pratos mais adaptados aos hábitos alimentares locais. Isso fica evidente logo no início do filme no embate entre uma cliente insatisfeita com um risoto e Primo (Tony Shalhoub) o chef de cozinha. Dotado de talento para preparar uma típica e deliciosa comida italiana, Primo se recusa a se curvar aos hábitos americanos, considerando sua arte uma forma de “educar” seus clientes na apreciação da verdadeira cucina italiana, deixando claro seu desprezo pelos hot dogs. Por outro lado, seu irmão Secondo (Stanley Tucci), seduzido pelos valores locais e desejando enriquecer, tenta convencer Primo a se adaptar. A relação dos irmãos, embora muito conflituosa, é extremamente amorosa e indissolúvel, como toda família deve ser. Entre problemas e panelas, o filme segue delicioso...

Ao contrário do longa dinamarquês “A festa de Babette” (frio e monótono), “A grande noite” é um filme que nos seduz desde o inicio, o que me fez lembrar daquela cena de “O Poderoso Chefão 3” (Francis Ford Copolla) em que os apaixonados personagens de Sofia Copolla e Andy Garcia preparam nhoque juntos com uma sensualidade sutil, conferindo às relações humanas daquela história um ar familiar e saboroso em contraste com a violência da máfia. “A grande noite” dos diretores Campbell Scott e Stanley Tucci passeia pelas tradições americana e italiana, fazendo contrapontos a todo momento, ao mesmo tempo em que demonstram a riqueza da interação entre as duas culturas. Destaque para o extravagante e ambíguo Pascal (Ian Holm) que nos presentei com as cenas mais cômicas do longa, Bob (Campbell Scott) um vendedor de carro cara de pau e a sempre molto bella Isabella Rossellini.

O único problema desse filme é o espectador não poder participar do banquete servido na grande festa que tem por intenção livrar o restaurante da falência, mas que acaba mesmo é nos deixando com água na boca. Recomendo assistir ao filme e partir logo depois para a cantina italiana mais próxima.


*Esse filme foi exibido hoje na Casa da Ciência-UFRJ, fazendo parte da programação do Colóquio Educação, Alimentação e Cultura promovido pela instituição. http://www.nutes.ufrj.br/coloquio/

quarta-feira, 14 de abril de 2010

"Sonhos roubados"

Noutro dia conversava com um amigo a respeito da situação do cinema nacional, a quantidade insuficiente de salas exibindo os filmes brasileiros e a resistência do público a ir ao cinema assistir um filme nacional.

Refletindo sobre as razões desse panorama, fiquei imaginando o que leva as pessoas a uma sala de cinema. Acredito que uma parcela grande do público que vai ao cinema, busca entretenimento, aquele faz-de-conta de 2h onde se pode ser um policial durão, um aventureiro, uma pessoa apaixonada, um vilão caricato, um mocinho meloso... Pode-se viver paixões, amores rasgados, medos, angústias, pode-se voar, chorar, rir, estar no presente, no passado ou no futuro sem sair do lugar, sem consequências. E assim que as luzes da sala acendem, pode-se despir aqueles personagens e seguir a vida carregando um pouco daquelas vivências imaginárias consigo. Diante disso, consigo compreender as pessoas que não pagam ingresso (caro, aliás) para assistir o mesmo que se vê todos os dias no noticiário: violência, tráfico, tiros, tensão... Sem querer desmerecer os filmes que ajudaram a revitalizar o cinema brasileiro, pois alguns são de uma qualidade inquestionável_ como o “Cidade de Deus” por exemplo_ embora tragam uma crueza real e indigesta que as pessoas tem o direito de não escolher como entretenimento. Esses filmes representam uma abordagem necessária da realidade social do Brasil sim, mas hoje o filme “Sonhos roubados” me confirmou que existem outras formas de se falar de realidade.

A história guiada pela diretora Sandra Werneck (Cazuza-O tempo não pará) retrata a vida de três adolescentes (Jéssica, Daiane e Sabrina) da periferia do Rio de Janeiro que, por circunstâncias diversas, acabam se envolvendo com prostituição. O filme fala sobre isso não de um jeito banal e se preocupa em oferecer o pano de fundo que conduz essas meninas a vender sua intimidade em troca de dinheiro para pagar conta, sustentar filho ou até mesmo comer. Naquele ambiente falta tudo, menos a capacidade dessas meninas de sonhar. Fala-se de assuntos densos, incômodos, mas com uma delicadeza feminina que faz toda a diferença. Mesmo inseridas numa cultura que banaliza o sexo_ em especial o movimento do funk_, sem perspectivas, sem estrutura familiar, educacional ou de saúde etc, Jéssica, Daiane e Sabrina encontram na amizade entre elas um apoio para preservar a esperança por dias melhores no futuro. Tudo na vida delas é difícil, mas elas não nos inspiram pena, elas nos cativam com suas trajetórias humanas, demasiado humanas.

Talvez, temas como os tratados em “Sonhos Roubados' devessem receber sempre esse toque de delicadeza para que se possa conseguir um equilíbrio entre crítica social e arte cinematográfica. Ganha o filme em audiência e qualidade, ganha o espectador em cinema e entretenimento.


*Estréia 23 de Abril de 2010.


Trailer:

video

Para ouvir essa música maravilhosa na íntegra (ótimo uso da batida do funk):

video

Para baixar:
http://www.4shared.com/file/256131614/ff98f432/Maria_Gad_-_Sonhos_Roubados__T.html

terça-feira, 13 de abril de 2010

Breve oração excepcional.

"Só o Rock N' Roll Salva! Rock n' Roll que estais em chamas, abominado sejam os vossos nomes, venha a nós o vosso pub, seja feita a vossa gostosa maldade, assim em festivais, bares e quintais. O "Riff" nosso de cada dia nos dai "moshes", perdoais as nossas ofensas assim como nós perdoamos funks, rebolations e sertanejos, e não nos deixeis cair em alienação, mas livrai-nos do Nhem. Amém! Yeah!"
(por Alexandre Soma www.alexandresoma.com)

domingo, 11 de abril de 2010

Trailer "Persona"

video

Minha primeira vez com Bergman

Para alguns isso pode soar estranho, para outros normal. O fato é que até a última sexta-feira eu nunca havia visto nenhum filme de Ingmar Bergman. Não por descaso ou desgosto... Não aconteceu antes, essas coisas da vida. Claro, não tenho formação em cinema, não sou pesquisadora da sétima arte, nem mergulhei nos clássicos antes de começar a gostar de assistir filmes. Meu amor pelo cinema_ sentimento tranquilo, paciente e pleno que é_ jamais me fez afoita e desesperada. Fui me deixando levar pelos filmes mais simples, aqueles de sessão da tarde... Depois passei a devorar todas as fitas da videolocadora até que não restasse nada novo que eu não tivesse visto. E, num movimento natural, comecei a me interessar pelos filmes mais originais_no sentido de origem e de originalidade_, pelos diretores mais destacados, pelos atores mais performáticos... Enfim, quando me dei conta, não podia mais viver sem o cinema.

E como os filmes reacendem eternamente a paixão no plácido sentimento de amar a sétima arte, toda vez que me apaixono por um, me entrego ao entusiasmo e à contemplação... Foi o que, aliás, também aconteceu quando assisti “Ilha do Medo”, cujas qualidades descreverei em outra ocasião, porque me proponho a falar de Bergman hoje. Mais especificamente sobre “Persona”. Então porque falei do filme do Scorcese? Pelo fato de que ambos os longas falam de sanidade e loucura de maneira hipnotizante.

Persona” estava na minha lista de pretendidos há algum tempo, mas todo filme tem seu momento certo. Tenho certeza que não teria degustado com tal prazer se o tivesse visto antes. Um cineasta que introduz você no universo do filme e dele próprio, antes da história começar, merece, no mínimo, 2h da nossa atenção. Para situar o expectador na insanidade da narrativa, Bergman usou imagens perturbadoras e desconexas antes do filme. Quando este começa, nós já estamos prontos para pirar juntos com a personagem_ ou as personagens? A trilha sonora opressora e os enquadramentos quase 3x4 sufocam, nos desestabilizam., encantam. Fora os diálogos que são de uma riqueza de entrega dos receios e dramas mais íntimos daquelas pessoas passeando pela tela. O preto e branco traz luz e escuridão, tão belos e perfeitos para prender nossa atenção ao que interessa.

Ainda não conheço bem Ingmar Bergman para dizer que terei por ele um amor eterno, mas digo com toda certeza que na minha primeira vez com ele, eu me apaixonei.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Uma noite fora de série

Quem disse que vida de adulto tem que ser chata? Numa proporção maior ou menor, todos nós! Mais ou menos dos 15 aos 30 anos somos alvejados com expectativas que incluem carreira, família, dinheiro, blá-blá-blá. Você tem que ter um bom emprego, ganhar bem, ter lindos filhinhos de bochechas rosadas. Tenta fazer diferente pra ver. Você precisa crescer, amadurecer, assumir responsabilidades, ou seja, virar um chato de galocha_ adoro essa expressão.

É exatamente diante desse dilema que se encontra o casal Phil (Steve Carell, de “Agente 86”) e Claire (Tina Fey, da série “30 Rock”) Foster. Com empregos tradicionais e rentáveis, dois filhos pequenos e saudáveis e um casamento pra lá de estável _quase estático_ e um dia-a-dia corrido, os Fosters se veem numa crise de tédio. Para quebrar o gelo da relação, Claire decide caprichar no visual e o casal vai num badalado restaurante no centro da cidade. È a partir daí que a confusão se inicia. Sem reservas no restaurante, eles fingem ser o casal Tripplehorn para conseguirem uma mesa. Eles só não poderiam imaginar que os Tripplehorns estavam sendo procurados pelo chefão do crime da cidade. Seguem-se, então, sequências ligeiramente tensas e de humor mais sutil, que a partir do meio do filme, se transformam em cenas mais cômicas_ um humor cínico, pouco escrachado_ e ágeis, com destaque para a perseguição de carro (sensacional!) e a dança do clube noturno (hilário!). Entre risos e as fugas do casal, o filme introduz algumas DRs na história, sempre com discussões breves com as quais todas as pessoas que já tiverem um relacionamento mais longo vão se identificar e rir de si mesmas. Lembra bastante a história de “Os Normais 2-A noite mais louca de todas”, sendo que Vani e Ruy são, de longe, muito menos família, se é que me entendem...

No fim das contas, o diretor Shawn Levy (“Uma noite no Museu”) conduz um filme que fala de relacionamento de maneira que o espectador não ache chato. Além do mais, o roteiro de Josh Klausner (“Shrek para sempre”) sugere que fazer do dia-a-dia algo mais emocionante pode ser mais simples do que se imagina_ concordo. Só cuidado pra não exagerar nas extravagâncias para não ir do adulto chato à criança quebrando vidraça da casa do vizinho...

Participações para lá de especiais de Mark Ruffalo (“Ilha do Medo”) com seu carisma rotineiro, Mark Wahlberg (“Max Payne”) com seus músculos definidos, Ray Liota (“Território Restrito”) com seu convincente bad guy e de James Franco (“Homem Aranha 3”) quase irreconhecível.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Respeitável público!

Não sou fã de Rock, de banda ou qualquer cantor ou artista. Tirando minha admiração particular pela Cássia Eller, que dá show agora em outro plano astral, curto Rock como quem curte qualquer boa música de sua preferência. E considero os shows de Rock os mais espetaculares, especialmente pela força do som e aquele faz-de-conta-que-sou-rebelde, personagem muito divertido que adoro interpretar.
Entretanto, é lamentável que o show do Guns and Roses ontem na Apoteose tenha sido desperdiçado pelo atraso de 2h30min no melhor estilo “foda-se” de ser. Sem justificativa, sem satisfação ao público. Nada foi dito. O Sebastian Bach que veio abrir o evento deu um show de verdade: o cara era pura disposição, simpatia e vontade de zoar com a galera. Interação total público-artista, satisfação para todos. O público reconheceu o empenho do Sebastian, aplaudindo muito no fim do show. Um espetáculo!
Mas, após a saída de Sebastian do palco, o tédio, o cansaço e a irritação abateram o público presente que iniciou uma constante e justa vaia coletiva, xingamento em coro etc. Afinal, ninguém tinha que trabalhar hoje, todos podiam esperar a noite inteira até que o Guns achasse que era hora de dar às caras, né? Fiquei extremamente irritada porque o show tinha tudo pra ser incrível, mas na hora que começou, as pessoas estavam tão cansadas que queriam mais era ir pra casa dormir. E muitas abandonaram o show antes de começar e ao longo do mesmo. Platéia fria, show frio. O som estava impecável, as luzes, cenário... Tudo como deveria ser. Mas, já era tarde. Literal e figurativamente. O descaso escroto da banda estragou uma noite que poderia ter sido memorável.
Aos fanáticos imbecis que vierem dizer que quem não aguenta, não vai a show de Rock, eu digo: fui no U2 em SP, ida e volta no mesmo dia, fiquei no estádio das 15h às 22h para ver o show dos caras e eles tiveram o RESPEITO de iniciar o show pontualmente. Palmas pra eles! Showzaço!Porque o que cansa/irrita/frustra não é a espera, e sim não saber sequer se vai assistir ao show. Se ser fã é dar a cara pra bater e ainda achar que merece, prefiro continuar meu itinerário de apreciadora apartidária da música.
Respeitável público, os caras do Guns foram, ontem, um bando de palhaços!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Sede de Sangue.

Filme de vampiro que se preze tem que ter sangue. Não uma cachoeira trash e tão pouco somente umas gotinhas tímidas escorrendo no canto da boca do predador. Tem que ter aquela quantidade certa que torna o vampiro repulsivo e magnetizante, afinal, quem não sente medo de um humano sobrenatural sanguessuga e, ao mesmo tempo, consegue não ficar hipnotizado para um vermelho vibrante? No caso do filme do diretor e co-roteirista Chan-wook Park (o mesmo de Oldboy), o vermelho sanguíneo é utilizado na medida certa para colorir os cenários pálidos do início da história e contrastar com o fundo branco recorrente e o figurino em tons de preto e azul dos protagonistas_ destaque para os belos tons de azul dos vestidos de Tae-joo, personagem da atriz Ok-vin Kim_ no terço final.

Sang-hyeon (vivido por Kang-ho Song) é um padre coreano que trabalha junto a um hospital, orientando espiritualmente aqueles à beira da morte e seus parentes. Sang-hyeon, além de atuar nesta fronteira entre a vida e a morte, transita numa outra fronteira ainda mais complexa: aquele deserto sem lar que separa a ciência da religião. Sang-hyeon acredita que a ciência está a serviço de Deus e que seu rebanho deve rezar e tomar todos os remédios prescritos. O padre acredita na fé, mas não acredita em milagres. Diante dessa contradição, numa decisão auto-flagelativa, se oferece de cobaia a um experimento que busca a cura de uma doença infecciosa e, durante o processo, acaba virando vampiro.

Bem, quem gosta de vampiros sabe que o sangue vampirizante não tem uma explicação lógica, uma origem conhecida ou uma referência estritamente sobrenatural. Diz-se que a Porfiria, uma doença sanguínea rara, estaria por trás da lenda vampiresca. Especulações draculescas à parte, o sangue do vampiro tem o poder de transformar outros humanos em vampiros. Aliás, ser vampiro é uma condição de deixar de ser humano? Questão sempre presente nesses filmes, nunca respondida. Uma criatura que vive nas sombras, bebendo sangue pra “viver”encontra-se também numa fronteira entre vida e morte. E o padre segue seu martírio... Angustiado e cheio de culpa por ter desenvolvido seus instintos e aguçado seus desejos acaba, naturalmente, se apaixonando por Tae-joo_ jovem de fragilidade duvidosa. O padre perdido do seu rebanho se depara com um lobo em pele de cordeiro e se entrega.

Na forma realista e orgânica de tratar a sexualidade e a exposição das entranhas, “Sede de Sangue” lembra muito o longa “Deixa ela entrar”, embora o filme sueco tenha todo um jeito de obra de arte cinematográfica. A sonoplastia faz tudo parecer muito suculento, se é que me entendem.... A saga de contradições do padre-vampiro tem um conteúdo dramático e filosófico muito bom, belas cenas do típico tesão-reprimido-oriental que fazem o expectador querer estar em outro lugar e sequências que misturam um quê de macabro e humor negro que agrada em cheio os amantes desses conteúdos. Aliás, como bom filme de vampiro, segue-se uma história de amor e, por este sentimento, mata-se e morre-se.

Filme ótimo para os que se deliciam com uma obra vampiresca realista de amor-terror e não muito indicado para aqueles mais sensíveis, adeptos dos filmes de sessão da tarde.